Topo
pesquisar

Imagem e Ação na aula de Filosofia

Estratégias de Ensino

Para fixar conceitos estudados em aula, propomos a atividade “Imagem e Ação”.
PUBLICIDADE

Os conteúdos que trabalhamos em Filosofia podem ser muito densos para os estudantes. Uma boa estratégia para fazer com que aprendam os conceitos filosóficos estudados em sala é propor uma atividade de “Imagem e Ação”. Para que tudo ocorra da melhor forma, ou seja, para que a atividade seja executada e alcance os objetivos esperados, o/a professor(a) pode pedir que os alunos estudem em casa um texto específico ou alguns termos importantes.

A atividade “Imagem e Ação” consiste na representação, sem palavras, apenas com movimentos e desenhos, de um conceito ou uma citação filosófica.

Em sala, o professor pode separar os estudantes em grupos. Por exemplo, em uma sala com 20 estudantes, pode haver quatro grupos com cinco componentes cada.

Dois grupos serão parceiros e dois grupos serão rivais. Por exemplo:

O Grupo A e o Grupo B são grupos parceiros entre si e rivais dos grupos C e D. O Grupo C e o Grupo D são parceiros entre si e rivais dos grupos A e B.

Dessa forma, o Grupo A deverá executar a mímica ou o desenho para que o Grupo B tente decifrar. Se o Grupo B acertar, os dois grupos pontuam. Se o Grupo B errar, os Grupos C e D tentam decifrar e, se acertarem, pontuam.

Uma atividade que exige a representação de conceitos filosóficos com mímica, sem sombra de dúvidas, será muito divertida e eficiente
Uma atividade que exige a representação de conceitos filosóficos com mímica, sem sombra de dúvidas, será muito divertida e eficiente

Os conceitos e/ou citações filosóficas serão escritos em papéis que, dobrados, serão sorteados pelos grupos a cada rodada. Essa atividade é de simples execução e não exige muitos recursos, apenas o quadro-negro, papéis e giz ou pincel. Pode ser aplicada a qualquer conteúdo de qualquer um dos anos letivos.

O professor pode escrever, juntamente ao conceito, uma breve definição para ajudar os estudantes a pensarem em suas mímicas ou desenhos. Por exemplo, se o conceito for “Ética Hedonista”, a definição ao lado pode ser “ética baseada na busca do prazer”.

Cada grupo pode ter um minuto para execução da mímica ou do desenho. Menos que isso talvez não seja viável, pois a ideia é que os estudantes pensem no conceito e em uma forma de representá-lo.

Ao final da aula ou na aula seguinte, o professor pode fazer uma revisão dos conceitos estudados durante a brincadeira e aproveitar para tirar as dúvidas dos estudantes sobre algum tema.

Outra possibilidade de executar uma atividade parecida é substituir as mímicas e os desenhos por sinônimos ou ideias relacionadas. Essa brincadeira é conhecida como “Dica”. O professor pode organizar os grupos do mesmo modo que na atividade de Imagem e Ação. A diferença será apenas no desenvolvimento.

Por exemplo, se o conceito sorteado pelo grupo A for “Esclarecimento”, os componentes devem propor sinônimos que levem o Grupo B a descobrir qual é o conceito – “luz”, “Kant”, “claridade”, entre outras possibilidades. Em vez de conceitos, o professor também pode usar nomes de filósofos e filósofas. Por exemplo, se o grupo C sortear “Jean-Paul Sartre”, os estudantes podem falar “francês”, “existencialismo”, “ateu”, entre outras possibilidades.


Por Wigvan Pereira
Graduado em Filosofia

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola