Topo
pesquisar

Super-heróis na aula de Física

Estratégias de Ensino

O mundo dos super-heróis e seus poderes pode ser uma ferramenta poderosa no ensino de Física. Discutindo as características dos personagens, uma gama de assuntos pode ser trabalhada.
PUBLICIDADE

O mundo dos super-heróis fascina e cativa alunos de todas as idades. Esse universo pode ser utilizado para entender e ampliar os conhecimentos de conceitos físicos.

O professor deve compreender que o cinema trabalha com a ciência dita ficcional, sem compromisso com a realidade, utilizada como insumo para a criação de um universo próprio. Por essa razão, não vale a pena procurar erros e minimizar os super-heróis, mas, sim, mostrar que, quando o assunto é a ciência real, aqueles poderes atuariam de modo diferente ou, muitas vezes, seria impossível que eles existissem.

A seguir temos comentários feitos acerca de alguns super-heróis e vilões do cinema. A ideia dessa aula é trazer a Física para o mundo dos alunos e mostrar a eles o quanto essa ciência é importante para todos.

Magneto

Descrição:

O Magneto é um vilão que, em certos momentos, atua como herói e possui a capacidade infinita de manipular o magnetismo e suas diversas formas.

  • Magneto teria a capacidade de manipular todo tipo de material ferromagnético;

  • Não poderia parar balas, que, em sua grande maioria, são feitas de chumbo, material que não é ferromagnético;

  • Poderia agir no centro de níquel e ferro que compõe o núcleo terrestre e parar a rotação da Terra;

  • Aproveitando a propriedade diamagnética da água, Magneto expandiria a água do corpo de uma pessoa até que ela explodisse;

  • Por meio de estímulos magnéticos, o vilão poderia desligar as funções corporais de uma pessoa;

  • Poderia gerar eletricidade.

Super-homem

Descrição:

Personagem criado pela DC Comics em 1938, o super-homem é um extraterrestre nativo do planeta Krypton. Conhecido como o homem de aço, o herói possui força sobre-humana, visão de raios x e pode voar. A única fraqueza desse famoso personagem é um minério chamado de Kryptonita, que só existe em seu planeta natal.

  • Para voar, o herói precisaria de algum mecanismo de propulsão. Nesse ponto existe a possibilidade de trabalhar com os alunos quais são as forças envolvidas no voo dos aviões;

  • Seus olhos são fontes e receptores de raios x;

  • Um dos feitos desse herói foi fazer a Terra girar ao contrário para que o tempo pudesse voltar e ele conseguisse salvar a sua amada, Lois Lane. Aqui existe a possibilidade de se trabalhar conceitos relativísticos e as condições impostas pela Física para a possibilidade de uma viagem no tempo;

  • Como o herói é um extraterrestre, há a possibilidade de diálogos a respeito das dimensões do universo e da possibilidade de vidas em outros planetas.

Flash

Descrição:

Personagem da DC COMICS, o nome real do Flash é Barry Allen, que, após ser atingido por um raio e, ao mesmo tempo, ter sido exposto a produtos químicos, adquiriu a capacidade de correr a velocidades altíssimas.

  • É possível trabalhar com os alunos quais seriam os efeitos sobre o corpo humano caso fosse possível atingirmos a velocidade da luz;

  • Sem a força de atrito, Flash nunca poderia sair do lugar;

  • A impossibilidade de o herói correr pela lateral de prédios por conta da falta de atrito também é uma possibilidade de discussão;

  • Ser salvo pelo Flash durante uma de suas intensas corridas poderia gerar danos irreparáveis sobre o corpo de uma vítima por conta da inércia;

  • As velocidades atingidas pelo personagem podem ser superiores à velocidade de escape da Terra.

Capitão América

Descrição:

O Capitão América, personagem criado pela Marvel em 1941, é resultado de um experimento para criação de super-humanos feito sobre o franzino, mas corajoso, Steve Rogers, no ano de 1920.

  • Pode-se trabalhar em sala as propriedades do escudo do Capitão América que permitem colisões perfeitamente elásticas;

  • É possível discutir as terapias gênicas e a criação de super-humanos.

Existe uma infinidade de heróis e vilões que merecem ser discutidos em sala de aula. Repare que, ao falar de um personagem, surgem diversos assuntos que podem ser explicados e explorados com os alunos.


Por Joab Silas
Graduado em Física

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola