Topo
pesquisar

Explorando espaços e objetos

Orientações

PUBLICIDADE
Trabalhar com educação infantil requer muita habilidade e criatividade dos professores, pois manter um grupo de crianças pequenas envolvidas nas atividades não é nada fácil.

O Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil traz em seu conteúdo, prioritariamente, que a educação aconteça de forma a promover experiências concretas, e que estas partam da relação do sujeito com o mundo que o cerca, percebendo-se como integrante desse espaço, ampliando suas destrezas e dominando suas relações com esse meio.

Normalmente os materiais que compõem um circuito psicomotor costumam ser caros, dificultando a aquisição dos mesmos por parte das escolas.

Porém, professores criativos conseguem levar para a sala de aula um material reciclado, perfeitamente adequado para o desenvolvimento dessas atividades, levando os alunos a vencerem os obstáculos e se tornarem aptos no que diz respeito à sua capacidade motora.


Atividades lúdicas tornam a aula mais interessante para as crianças
 
Uma caixa de papelão com o fundo aberto pode tornar-se um túnel por onde as crianças poderão passar por dentro, engatinhando ou agachado, arrastando, tentando não encostar-se a suas paredes. Pneus velhos podem servir para que andem, dando um passo dentro de cada um, trabalhando assim o equilíbrio. As cadeirinhas da sala podem ficar deitadas, para que as crianças façam saltos sobre as mesmas. É bom que o professor coloque colchonetes no chão, para que a criança não corra risco de se machucar. As próprias cadeirinhas, em pé, podem formar obstáculos para as crianças passarem caminhando em zigue-zague. Uma bola pode ser arremessada dentro de dois pneus sobrepostos, como se fossem uma cesta de basquete, e assim, sucessivamente. Dessa forma os alunos podem descobrir diferentes formas para se deslocarem no espaço.

Uma boa idéia é o professor montar circuitos de cores diferentes, como azul, vermelho e amarelo, cores primárias, dividindo a sala em três grupos, onde cada grupo deverá percorrer todos os circuitos, em tempos diferentes.

O importante é que o professor explique antes como funcionará o percurso, para que o grupo o siga corretamente.

As crianças adoram essas atividades, que proporcionam muito prazer e ao mesmo tempo auxiliam no desenvolvimento da coordenação motora ampla e do esquema corporal, além de estimular a socialização, a oralidade e o envolvimento integral do grupo.

Ao final, as crianças podem representar a experiência vivida, fazendo um desenho num papel, das etapas do percurso e destacando a parte que mais gostou. E contá-lo para seus pais, dividindo a experiência com os colegas da sala e com os professores, o que trabalhará o desenvolvimento da linguagem oral.
Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola
Veja Mais!
Mordidas na Escola
Resolvendo conflitos da fase oral
 
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola