Topo
pesquisar

Problema social do século XXI

Política Educacional

PUBLICIDADE

Em função de sua maneira de ser, as pessoas podem vivenciar seus próprios conhecimentos de trabalho. Dentro de uma organização de trabalho o indivíduo tende a apreender que não dispõe de expedientes suficientes para afinar-se, surgindo assim o estado de estresse. O estresse e suas complicações crônicas atingem diretamente o cumprimento de ocupação e desenvolvimento do trabalho e muitas vezes oprime a pessoa, levando-a a situações de doenças, de desagrado e desinteresse. Nesses casos citamos a fadiga, distúrbios do sono, desânimo, depressão, alcoolismo, e a síndrome de Burnout. Existe uma preocupação com a saúde do indivíduo nesta conjuntura, pois desencadeia conseqüências, na produtividade da organização de trabalho.

Na metade da década de 70 o termo Burnout, que no sentido literal significa “estar esgotado” ou “estar queimando”, caracteriza indivíduos com profissões de apoio, e de prestação de serviços aos semelhantes. As pessoas em estado extremo de estresse sentem fadiga (resultante da sobrecarga de trabalho); insatisfação (resultante da comparação com a situação vivenciada e seus anseios); frustração (resultante de um teor impróprio em relação às competências e às necessidades do indivíduo); angústia (resultante do conflito da contradição entre os impulsos das pressões e dos desejos); medo (caracterizado por problemas de sono e pelo consumo de medicamentos); ansiedade (caracterizada por tensão nervosa e medo); agressividade, resistência e crueldade (decorrentes das relações do trabalho e incompatibilidade com a hierarquia, chefia, e os outros profissionais); alcoolismo (vícios decorrentes de insatisfação e frustração).

A Síndrome de Burnout se caracteriza por fadiga emocional, física e mental, sentimentos de fraqueza e inutilidade, falta de admiração pelo trabalho, pela vida pessoal , baixa auto-estima, esgotamento nervoso e despersonalização devido à relação diária cultivada com pessoas que interagem no ambiente de trabalho. Existe uma avaliação negativa da pessoa em relação a si mesmo, que compromete a desenvoltura na realização do trabalho e a relação com as pessoas . Os indivíduos sentem-se insatisfeitos e descontentes com sua atuação pessoal e com seus procedimentos profissionais na ocupação que exercem.

Quando as relações interpessoais, são pesadas, conflituosas e adiadas, tem-se a disposição de adicionar os anseios de Burnout aumentando os sentimentos de “queimar-se”. O estresse laboral com seqüelas nocivas para o indivíduo, age sob a forma de moléstia, falta de saúde com alterações cardíacas e respiratórias, gastrite , úlcera, transtorno do sono, náuseas e com isso há desgaste do rendimento ou da qualidade de trabalho. A Síndrome de Burnout acontece de maneira vagarosa e gradual, acometendo o indivíduo progressivamente. Na fase mais aguda da síndrome o indivíduo desenvolve táticas, que consistem em modificações de atitudes e condutas que abrangem a apatia e distanciamento emocional e pessoal do trabalho. O que sabemos é que qualidade de vida é uma consideração extensa e sendo assim, deve conglomerar sentimentos, percepção, bem-estar , satisfação , garantia da saúde , segurança física, mental e social, capacitação para realizar tarefas com segurança, assim como alocar recursos materiais adequados, receber salário digno e ter carreira auspiciosa, que depende concomitantemente do indivíduo e da organização do trabalho.

O conceito de educação tem seguido a filosofia neoliberal de que tudo é mercadoria e consumo. Esta visão de educação sob o aspecto comercial, de acordo com Fraga (1999), causa prejuízo às pessoas diretamente envolvidas no processo: professores e alunos. A Síndrome de Burnout é um problema social de extraordinária importância e vem sendo estudada em vários países, pois se encontra conectada a grandes cotações organizacionais, devido a rodízio de pessoal, a problemas de operosidade e de qualidade. A precaução do estresse no trabalho será um dos maiores desafios da área da saúde laboral no século XXI.
Referencial: Benevides-Pereira , A. M. T. (org.) Burnout: Quando o trabalho ameaça o bem estar do trabalhador.

Autora: Amelia Hamze
Profª FEB/CETEC e FISO

Política Educacional - Educador - Brasil Escola

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola