Whatsapp

Condições didáticas da escrita

Estratégias de ensino-aprendizagem

PUBLICIDADE


Condições didáticas da escrita respondem aos seguintes elementos: o que, para que e para quem escrever.  

 

As dificuldades encontradas pelo professor de Redação são incontestáveis: entre elas, e talvez a que possa resumir todas as outras, está a própria repulsa pelo ato de escrever. Diante disso, inegavelmente, o que se “colhe” de todo esse processo são muitas vezes algumas mal rabiscadas linhas, isentas de quaisquer traços de organização e lógica, entre outros pormenores. Enfim, parece que o “produto final” resultou em nada mais nada menos que um simples cumprimento de um dever imposto, sem ao menos se dar conta do que estava fazendo.

O mais grave é que tal questão, caso não seja discutida e trabalhada com o intento de encontrar alternativas para que a situação seja contornada, pode se perdurar para sempre, o que pode resultar em sérias consequências para os educandos mediante um processo seletivo, como também nos demais segmentos de sua trajetória cotidiana.

Nesse sentido, uma das metodologias a serem implantadas diz respeito à forma pela qual o educador conduz sua prática pedagógica no que tange à produção textual. Falando assim, vale mencionar algumas rotineiras práticas, como por exemplo: o aluno, inserido naquela aula (a de Redação), já espera do educador algumas propostas com base nas modalidades descritivas, narrativas, e algumas vezes dissertativas, nas quais fica a critério dos aprendizes o tema que será abordado nessas produções – o que pode tolher ainda mais a capacidade imaginativa deles, visto que se sentem sem um direcionamento, sem um norte. Assim sendo, no intuito de redefinir tais propósitos, com vistas a conduzir, situar, os alunos no procedimento que realmente irão desenvolver, o artigo em questão tem por finalidade abordar algumas propostas didáticas, cujos posicionamentos tendem a revelar uma expressiva eficácia frente a essa realidade que, por vezes, parece tão desastrosa.

Para tanto, faz-se necessário voltarmos ao título do artigo, ora demarcado pelos termos “condições didáticas”. Elas, por sua vez, são demarcadas por uma boa proposta de texto, com base em propósitos comunicativos claros e definidos, de modo a fazer com que o aluno compreenda “o que”, “para que” e “para quem” está redigindo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em meio a esse ínterim chegam para compor o “cenário” os diversos gêneros textuais. Todos eles, demarcados por uma intenção comunicativa, fornecerão subsídios suficientes para que tais condições didáticas sejam colocadas em prática. Dessa forma, cumpre fazer referência a algumas elucidações um tanto quanto pertinentes, assim evidenciadas:

* Ao propor a produção de uma carta endereçada a um amigo, e outra ao diretor da escola reivindicando melhorias para a quadra de esportes, os alunos terão condições de estabelecer as finalidades que nortearão seu discurso, atendendo àqueles básicos requisitos, ou seja, o que escrever, para que e para quem. Nesse conjunto de fatores entra a questão dos aspectos linguísticos, tais como o uso da modalidade padrão, com a presença ou não de uma linguagem mais pessoal, etc. No caso da carta endereçada ao diretor, impera a qualidade dos argumentos elencados, os aspectos formais, estruturalmente dizendo, entre outros elementos.

* No caso de uma proposta da construção de um jornal periódico e a construção de algumas poesias para um sarau, eles também terão a habilidade de escolher qual linguagem deve ser utilizada – se objetiva ou pautada pelo expressivo instinto de subjetividade.

* Em se tratando de textos narrativos, como contos, fábulas, apólogos, crônicas, parábolas, entre outros, cerceados por esse espírito de compreensão, os educandos constatarão a necessidade de elencar os principais elementos, tais como, personagens, tempo, espaço, narrador, discurso e enredo, tendo em vista as partes que o compõem, materializadas pela apresentação, complicação, clímax e desfecho final.    


Em face de todos esses pressupostos, presume-se que o educador, ao definir seus reais objetivos acerca do que se espera com a produção de seus alunos, sobretudo com base em propostas norteadas pela clareza da intenção comunicativa, gênero e destinatário, obterá o sucesso como retorno de sua proposta metodológica.


Por Vânia Duarte
Graduada em Letras
Equipe Brasil Escola

Artigos Relacionados
Constate e se interaja com algumas propostas acerca do uso da tecnologia a serviço da produção de diversos gêneros. Sabe como? Por meio de apenas um clique!
Compreender acerca da importância da língua portuguesa se revela como uma proposta amplamente pertinente, assim, não perca essa oportunidade com seus alunos, clicando!
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola