Topo
pesquisar

Escravos x Servos

Estratégias de ensino-aprendizagem

PUBLICIDADE

Servidão e escravidão tiveram significados diferentes nos mundos antigo e medieval.


Ao falar sobre a situação do servo medieval, observamos que muitos alunos fazem uma pequena confusão com o significado dessa figura no mundo feudal. Conhecendo as várias obrigações e tributos que estava sujeito, é comum chegar à conclusão que o servo era a mesma coisa de um escravo. Apesar de lógica, essa equiparação de conceitos está bem distante do significado que um escravo e um servo possuíam.

Para resolver este dilema sugerimos ao professor de História o trabalho com duas fontes documentais que podem resolver tal embaraço. Inicialmente, selecionamos a exposição de uma interessante reflexão que o filósofo Aristóteles fez sobre a condição do escravo na Grécia Antiga. Segundo os seus dizeres:

“Os instrumentos são de vários tipos; alguns são vivos, outros inanimados; (...) Assim, qualquer parte da propriedade pode ser considerada um instrumento destinado a tornar o homem capaz de viver; e sua propriedade é a reunião desse tipo de instrumentos, incluindo os escravos; e um escravo, sendo uma criatura viva (...) é uma ferramenta equivalente às outras. Ele é em si uma ferramenta para manejar ferramentas.”

Nesse primeiro trecho é possível notar que o filósofo grego equipara o escravo a um instrumento, uma mercadoria necessária à sobrevivência do indivíduo. Por meio dessa noção, vemos que os escravos eram rebaixados à condição de objeto necessário à vida. Da mesma forma que hoje precisamos de um veículo ou de uma casa para viver, os gregos acreditavam que os escravos eram somente mais uma dessas “coisas” necessárias à existência.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Após apontar esse primeiro valor, o professor se desloca para os tempos medievais através das palavras do bispo Eadmer de Canterbury. Por volta do século XI, esse membro da Igreja fez a seguinte consideração sobre a sociedade de sua época:

“[Deus] fez ordens, que instituiu em vista das diversas missões a realizar neste mundo. Instituiu uns os clérigos e monges para que rezassem pelos outros (...). Instituiu os camponeses para que eles (...) com o seu trabalho, assegurassem a sua própria subsistência e a dos outros. A outros, por fim, os guerreiros, instituiu-os para que (...) defendessem dos inimigos, (...) os que oram e os que cultivam a terra.”

Nesse segundo trecho, observamos que os servos medievais são considerados aqui como partes integrantes de um complexo organismo social. Mesmo sendo submetidos a uma dura rotina de trabalho, não podem ser simplesmente equiparados aos escravos por não serem vistos ou tratados como uma simples mercadoria. Com isso, fica clara a distinção existente sobre o lugar socialmente ocupado por essas duas figuras que povoaram os mundos antigo e medieval.

De fato, ao expor esses documentos os alunos têm oportunidade de resolver esse pequeno “nó conceitual” muito comum nas salas de aula. Ao mesmo tempo, também devemos salientar que o passado é revisitado pela voz de seus participantes e interpretado através de um rico exercício comparativo. Toda vez que isso acontece, vemos que a História se afasta daquela velha aversão que os estudantes têm do passado.


Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola


História - Estratégias de Ensino - Educador - Brasil Escola

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola