Whatsapp

O aprimoramento da argumentação

Estratégias de ensino-aprendizagem

PUBLICIDADE

O aprimoramento da argumentação deve fazer parte do planejamento das aulas de produção textual
O aprimoramento da argumentação deve fazer parte do planejamento das aulas de produção textual

Quando se fala em aprimoramento da argumentação, enfatiza-se, sobretudo, a produção textual. Falamos o tempo todo, expomos nossas opiniões, ouvimos as opiniões alheias e... no momento da escrita... Por que o estigma da redação ainda impera no ambiente escolar, se em provas de vestibulares, concursos públicos, entre outras circunstâncias, ela representa um dos principais requisitos, senão o principal?

Eis aí uma discussão relevante e, sobretudo, uma preocupação de todo professor de Língua Portuguesa. Como quebrar tal estigma? O pior é que, antes de passar pelos processos acima citados, o aluno passa pelo ENEM, uma prova que o faz sentir os primeiros contratempos dessa grande jornada. Como sabemos, nesse exame a modalidade requisitada é a dissertação, mas não há como desenvolvê-la se as ideias, primeiramente, não estiverem elencadas, visto que não há possibilidade de discorrermos, argumentarmos sobre um assunto do qual não temos conhecimento. No mínimo, o que pode ocorrer é o candidato se ver diante de uma folha em branco e simplesmente não saber qual o procedimento necessário, viável. 

Vamos começar nossa discussão “pleonasticamente” (ou seria “neologisticamente”?) dizendo: pelo começo. Dessa forma, os alunos precisam saber que existem os tipos textuais e que deles partem os gêneros. “Dissertação, narração e descrição”, para muitos, podem representar conceitos meramente vagos. Que tal se o professor começasse explanando que a todo o momento narramos um acontecimento a alguém; descrevemos as características de uma pessoa, um objeto, um passeio que fizemos, enfim, muitas são as circunstâncias cabíveis nesse caso; também expomos nossas opiniões acerca de um determinado assunto, visto que as ideias nunca são totalmente afins, entre uma pessoa e outra. 

Outro aspecto são os gêneros, visto que eles fazem parte das nossas situações cotidianas. Dessa forma, uma notícia possui características narrativas; um editorial, características argumentativas, etc. Fazendo assim, os alunos terão a oportunidade de observar todas as características neles presentes, sobretudo as linguísticas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Voltando à questão que norteia o assunto sobre o qual nos propomos a discutir, alguns alunos não se veem preparados para expor seus argumentos em um texto. Assim, diante dessa realidade, faz-se necessário que o educador adote métodos precisos que os auxiliem no aprimoramento de determinadas habilidades exigidas pela escrita, especialmente a capacidade argumentativa, tendo em vista que o texto dissertativo se baseia na pura e simples exposição de ideias sólidas e convincentes.  Mediante tal pressuposto, como fazer com que o interlocutor se convença do discurso, se este nem ao menos repassa confiabilidade e credibilidade?

Para tanto, algumas propostas se revelam como eficazes, no sentido de capacitá-los a desenvolver a tão requisitada habilidade. A começar pelo incentivo que lhes é dado (por parte do educador) no que se refere à importância de se manterem informados, sempre. Questões polêmicas, sem sombra de dúvidas, poderão ser cobradas. Nesse sentido, torna-se essencial que estabeleçam familiaridade com os noticiários televisivos, ou impressos, por exemplo. A leitura de revistas como a Veja, Superinteressante, Época, Carta Capital, Isto É, entre outras, representa uma alternativa de grande viabilidade.

Outro procedimento é reservar um dado momento das aulas de Redação, além da parte prática (as produções), para debater assuntos relacionados às notícias propagadas pelos meios de comunicação. Fazendo assim é bem possível que eles se disponham a relatar os pontos de vista firmados diante de um dado acontecimento. Aproveitando esse “gancho” é sempre bom o professor enfatizar que o emissor precisa se preocupar com questões relacionadas aos fatos gramaticais como um todo, porém, somente esse aspecto não pode se sobrepor aos demais, pois o conteúdo, o discurso (levando-se em consideração clareza, coesão, coerência) também impera, e muito, nesse sentido. 

Ainda dando continuidade às viáveis alternativas, sugere-se o contato com os diferentes gêneros em que prevalece o aspecto argumentativo, tais como o editorial, artigo de opinião, a carta argumentativa, entre outros, pois podem, também, representar uma das modalidades exigidas nos processos seletivos, haja vista que atualmente estão se tornando bastante diversificados.


Por Vânia Duarte
Graduada em Letras

Artigos Relacionados
Saiba o porquê da importância de desmitificar a redação dos vestibulares, clicando aqui, educador!
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola