Topo
pesquisar

O Dia Nacional da Consciência Negra e o livro “Cartas entre Marias”

Estratégias de ensino-aprendizagem

PUBLICIDADE


Capa do livro Cartas entre Marias

O Dia Nacional da Consciência Negra é comemorado em 20 de novembro. Essa data foi escolhida como uma homenagem a Zumbi dos Palmares, que morreu no dia 20 de novembro de 1695. Nesse mês, vários trabalhos, programas televisivos, eventos educativos, projetos artísticos e culturais dão ênfase ao importante papel que o negro exerce em nossa sociedade, porém, essa abordagem deve ocorrer diariamente, rompendo com o preconceito que, infelizmente, ainda persiste em diversos pontos do planeta.

A sala de aula é um ambiente de aprendizagem e convívio social, sendo assim, ela se torna um espaço privilegiado para a abordagem de diversos temas, inclusive sobre o respeito à diversidade étnica. Nesse sentido, elaboramos uma estratégia de ensino para ministrar aulas sobre a riqueza, influência e pluralidade cultural do povo africano.

Inicie a aula elucidando que, no Brasil, o Dia da Consciência Negra é comemorado em 20 de novembro (destaque o motivo da escolha da data). Em seguida, explique que essa abordagem não deve se limitar a apenas um dia ou um mês, e sim o ano todo. Esclareça a importância do negro para a formação da sociedade brasileira, citando a influência na culinária, danças, roupas, economia, entre outros aspectos.

Posteriormente, apresente aos alunos um ótimo material sobre o tema – o livro Cartas entre Marias, de autoria de Virgínia Maria Yunes e Maria Isabel Leite, da Editora Evoluir Cultural. Essa obra é extraordinária para se trabalhar em sala de aula, visto que ela enfatiza a riqueza natural, étnica e cultural de um país africano: Guiné-Bissau.

O livro conta a história de duas amigas (Ana Maria e Maria Cristina) que moram em Florianópolis, Santa Catarina. No entanto, o pai de uma delas tem que fazer uma viagem a trabalho para uma ilha em Guiné-Bissau, levando toda a família. Nesse momento, começam as trocas de cartas entre as duas personagens, nas quais são descritos os elementos do cotidiano e da cultura do país africano. O material possui belas fotos de Guiné-Bissau, que foram tiradas por Virgínia Maria Yunes, uma das escritoras do livro.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Através dessa obra, o professor pode fazer analogias sobre os elementos culturais do Brasil e de Guiné-Bissau, além de destacar as belezas naturais do país descrito no livro. Explore ao máximo as fotos registradas e desperte o sentimento de respeito à diversidade étnica e cultural.

Encerre a aula debatendo duas perguntas realizadas para Maria Isabel Leite:

- De acordo com a análise das autoras do livro, quais os principais pontos em comum entre a cultura brasileira e a de Guiné-Bissau?

Difícil responder a essa questão sem resvalar para as perigosas generalizações. Se já é difícil falar de “cultura brasileira”, imagine da cultura de um continente tão grande como a África, que tem tantos países e cada um com suas características... Preferimos destacar a diversidade das culturas brasileiras e das culturas africanas – sempre no plural! Não se pode falar de cultura no singular. É isso que gera tantos equívocos. Mas se querem que destaquemos alguns aspectos de aproximação clara entre a cultura dessa aldeia da Guiné-Bissau com alguns pontos brasileiros, podemos lembrar da culinária apimentada da Bahia, da sua musicalidade, das suas festas – só para não deixar de fazer as aproximações requeridas.


- Vocês concordam com a forma de abordagem do continente africano nos livros didáticos? O que deveria ser mudado?

Tanto não concordamos, que decidimos começar por esse livro. Cada imagem foi pensada na perspectiva de desconstrução de estigmas. Cada frase foi escrita com o intuito de deflagrar perplexidades e colocar em xeque as verdades anteriores, construídas pelo senso comum. Se cada livro fizesse isso, a imagem e a relação com a cultura do outro, não só da Guiné-Bissau, mas de qualquer outro lugar, seria diferente. O que desejamos é contribuir para um universo de maior respeito à diversidade em todos os sentidos.
 

Por Wagner de Cerqueira e Francisco
Graduado em Geografia
Equipe Brasil Escola

Geografia - Estratégias de Ensino - Educador - Brasil Escola

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola