Topo
pesquisar

Tirinhas na aula de Matemática

Estratégias de Ensino

Através da utilização de tirinhas na aula de Matemática, o professor pode abordar diferentes assuntos de uma forma mais leve e atrativa.
PUBLICIDADE

Os professores de Matemática sabem que o aluno pode apresentar resistência à matéria em virtude da forma como, em geral, os conteúdos são apresentados. Por essa razão, novidades e atrativos são sempre bem-vindos nas aulas.

A proposta de hoje é a utilização de tirinhas nas aulas de Matemática. Como são muitos os autores que relacionam a Matemática em suas historinhas, o professor pode empregar essas obras em diversas situações e momentos, de acordo com a sua necessidade. Vejamos algumas tirinhas e as situações em que elas podem ser empregadas.

Hagar, o Horrível, e os números racionais

Hagar, o Horrível – Chris Browne
Hagar, o Horrível – Chris Browne

Essa tirinha pode ser utilizada pelo professor para introduzir os números racionais. O educador pode iniciar uma discussão com os alunos, por exemplo, para saber quantos números há entre 1 e 10, desafiando a turma a identificar a maior quantidade de valores positivos menores do que dez. Questione ainda quais são os números citados por Eddie Sortudo, pedindo à classe que os reescreva na forma decimal.

Turma da Mônica e a Conversão de Unidades de Medida

Turma da Mônica – Maurício de Sousa
Turma da Mônica – Maurício de Sousa

A conversão de medidas não é lá um dos assuntos mais atrativos para os alunos, não é mesmo? Essa tirinha pode abrilhantar o debate sobre esse tema, trazendo para o conhecimento dos alunos unidades de medidas menos usuais no Brasil, como a légua, a onça e o fahrenheit, medidas de comprimento, de peso e de temperatura, respectivamente.

Peanuts e a Álgebra

Peanuts – Charles Schulz
Peanuts – Charles Schulz

E que tal fugir dos problemas e equações tradicionais? Essa tirinha de Charles Schulz mostra um problema matemático que pode ser resolvido com uma equação após o emprego de uma boa interpretação. Desafie seus alunos a não deixar sua educação “encalhar”, solucionando o problema das cidades que a Paty Pimentinha não conseguiu resolver sozinha.

Calvin e Haroldo e a “Matemática Literária”

Calvin e Haroldo - Bill Watterson
Calvin e Haroldo - Bill Watterson

O aspecto cômico da tirinha de Calvin e Haroldo pode ser empregado na aula de Matemática para instigar a interpretação dos alunos. Muitas vezes os educandos leem um problema matemático e não conseguem interpretá-lo sem a intervenção do professor. Nossa sugestão é que o educador peça aos alunos que expliquem a tirinha e produzam histórias em quadrinhos envolvendo a Matemática.

O Nied (Núcleo de Informática Aplicada à Educação – Unicamp) desenvolveu o HagáQuê, um programa gratuito para criação de histórias em quadrinhos. Esse programa pode ser uma alternativa para que os alunos possam produzir as próprias histórias em quadrinhos na escola. Além disso, trata-se de uma ferramenta riquíssima para o trabalho do professor, pois além de usar histórias prontas, o educador pode elaborar tirinhas de acordo com a necessidade de seu conteúdo.


Por Amanda Gonçalves
Graduada em Matemática

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola