Topo
pesquisar

Algumas estratégias para a correção de produções textuais

Orientações

PUBLICIDADE


Incentivo é passo primordial para o aperfeiçoamento da escrita  

A maioria dos estudantes sente dificuldades quando se veem diante de uma folha em branco, ao realizar o propósito da construção de um texto. As ideias não fluem, não há motivação para tal, pois falta conhecimento prévio do assunto a ser discutido, e muitos outros fatores colaboram para que a problemática se perpetue cada vez mais.

O educador está sempre envolvido na tarefa de despertar o prazer dos seus alunos pela leitura e escrita. Algo que não é uma tarefa muito fácil, pois muitos já trazem em si “deficiências” de experiências anteriores, que podem ter sido oriundas de comentários verbais ou escritos por parte do educador no momento da correção das produções textuais. Aqueles comentários, tais como: “Você não escreve corretamente”; “Sua caligrafia está indecifrável”, “Da próxima vez não há motivo para ler esta desorganização, pois é perda de tempo”, e outros mais.

Certas atitudes colaboram para que o aluno não se sinta mais motivado a produzir, uma vez que tudo o que faz não é bem aceito.
Diante disso, surgem novos mecanismos que amenizam um pouco a dificuldade em lidar com esta questão e que, de certa forma, induz mais o aprendiz a buscar o seu aprendizado e, consequentemente, descobrir novos caminhos para se aperfeiçoar no que se refere à questão da escrita.

Dentre eles estão:

- Ao corrigir uma produção, evite “bordá-la” de vermelho, talvez seja mais interessante sublinhar aquilo que foi considerado incorreto e solicitar ao aluno que descubra a falha, seja esta ortográfica, de concordância ou estrutural.

- Uma excelente atitude também é realizar a troca de produções entre os alunos e sugerir que os mesmos façam a devida correção, fazendo os comentários cabíveis, procurando instigar a pesquisa, e com isso colaborando para que haja uma melhor apreensão de tudo aquilo que já foi transmitido em sala de aula.

- É de fundamental importância solicitar que os alunos tenham sempre em mãos o dicionário, pois ele os auxilia em eventuais dúvidas, bem como os insere no universo da linguagem padrão e do formalismo.

Após ter feito isso, é o momento da reescrita, na qual é sempre bom acrescentar novas ideias às já existentes, procurando sempre aplicar uma melhor performance ao texto.
Tais atitudes podem fazer a diferença e isso resultará na obtenção de eficientes escritores. 

Por Vânia Duarte
Graduada em Letras
Equipe Brasil Escola

Orientações - Educador - Brasil Escola

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola