Whatsapp

Aprendendo com os lebistes.

Estratégias de ensino-aprendizagem

PUBLICIDADE


Fêmea de lebiste prestes a dar a luz

Em razão da maioria das espécies de peixes ter fecundação externa, com machos e fêmeas liberando seus gametas na água, fecundando-os, muito pouco é dito em sala de aula sobre outros modos reprodutivos destes animais.

Uma espécie conhecida por guppy, ou lebiste (Poecilia reticulata), da família dos Poecilídios, bastante conhecida entre os aquariofilistas, é um peixe resistente, colorido e que se reproduz com facilidade. As fêmeas têm período de gestação de aproximadamente 25 dias, podendo dar origem a cem filhotes a cada quatro semanas. Além disso, estas são capazes de armazenar os espermatozóides por aproximadamente oito meses, podendo ter mais de três gestações seguidas sem ajuda direta do macho.

O macho possui cauda maior, coloração mais chamativa e uma estrutura copuladora denominada gonopódio, localizado atrás do poro urogenital. Para reprodução, introduz esta última na região reprodutora da fêmea, fecundando-a. Os ovos são incubados internamente, na mãe, e eles mesmos é que fornecem nutrientes aos embriões.

Assim, diferentemente da maioria dos peixes, o guppy é um animal ovovivíparo, com fecundação interna. Por este motivo, pode ser um curioso objeto de estudo nas aulas de Ciências e Biologia!

Pouco antes dos filhotes nascerem, a fêmea fica com seu abdome inchado e, perto de sua nadadeira anal, aparece uma mancha escura: a “mancha da gravidez”. Nesta época, é importante separar a fêmea dos outros indivíduos do aquário, uma vez que esta espécie pratica o canibalismo; devolver a fêmea, após dar à luz, é essencial, pelo mesmo motivo.

Dentro de dois meses, os lebistes já são capazes de se reproduzir. Eles atingem o tamanho máximo aos seis meses sendo, aproximadamente um ano depois, o período de suas vidas em que estarão mais férteis.

Indivíduos adultos são vorazes predadores de insetos e são, em diversas localidades, utilizados como controladores naturais da proliferação de mosquitos, como o da dengue e malária.

Proposta: considerando as informações dadas, a montagem de um aquário contendo estas espécies permitirá o estudo de temas como: reprodução e desenvolvimento; comportamento animal; anatomia comparativa; ambiente aquático; dimorfismo sexual; qualidade da água; cadeia alimentar, dentre outros, podendo vincular a metodologia científica em todas as atividades.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Mariana Araguaia
Equipe Brasil Escola

BiologiaEstratégias de EnsinoEducador - Brasil Escola

  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola