Whatsapp

As contradições entre o livro e a História

Estratégias de ensino-aprendizagem

PUBLICIDADE

Os livros didáticos devem ser vistos como apenas uma das fontes a participarem da obtenção de conhecimento histórico.


O conhecimento histórico, conforme sabemos, nunca esteve acabado nas linhas da última obra que investiga um fato passado. Sendo uma matéria que dialoga com um extenso número de fontes, permite que uma determinada compreensão vigente seja revisada por uma outra perspectiva capaz de renovar nosso olhar sobre o passado. Dessa forma, o interesse a necessidade de atualização dos materiais didáticos tem importância fundamental para o professor.

Entretanto, o tempo exigido para a produção de novas perspectivas e a divulgação das mesmas para os demais especialistas acaba provocando um compreensível descompasso. Vez ou outra, o professor se depara com algumas idéias presentes no livro didático que estariam defasadas em relação a alguma pesquisa recentemente apresentada. Aquela publicação que deveria facilitar o processo de aprendizagem acaba revelando as suas próprias limitações.

Apesar de incômoda, essa situação não pode ser vista como um terrível entrave ao conhecimento que o professor pode partilhar com os seus alunos. Esse descompasso, na verdade, abre portas para que os alunos possam compreender que o conhecimento do passado não se encerra nas margens do livro que o acompanha durante o ano letivo. Sendo uma matéria ligada às Ciências Humanas, o conhecimento histórico deve ter a saudável função de promover debates e instigar a reflexão crítica.

Sendo estas duas qualidades imprescindíveis na formação do indivíduo, o professor não deve se tomar de pudores que o impediriam de questionar junto à classe aquilo que é apresentado no livro. Mesmo trabalhando junto às séries fundamentais, não podemos acreditar que uma criança não tenha a habilidade de compreender diferentes perspectivas sobre o passado. Evitar o debate entre as crianças, sugere um equívoco que confunde os limites do estágio mental infantil com a capacidade de se raciocinar.

Dessa forma, o questionamento de determinadas visões que permanecem nos livros didáticos não pode ser visto como uma ameaça ao processo cognitivo das crianças. Na verdade, o professor deve abandonar a crença de que saber História consiste simplesmente na reprodução irrestrita daquilo que nos é repassado. Mais do que datas, heróis e fatos, o conhecimento histórico tem a função de desenvolver uma habilidade reflexiva útil para se entender o passado em relação às demandas do presente.

Fora dessa postura, a nossa matéria acaba materializando as velhas acusações estudantis que resumem a História como um processo de “decoreba” que só desperta o interesse dos museus. Fazendo referência a uma das mais célebres frases do historiador norte-americano Will Durant* , não podemos acreditar e muito menos repassar aos alunos a existência de explicações históricas suficientes para que todo passado seja compreendido. Sendo assim, devemos ver na contradição uma inevitável etapa do conhecimento.

* “Uma das lições da história é que não há nada sempre bom a se fazer, mas sempre interessante a se dizer”


Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola


História - Estratégias de Ensino - Educador - Brasil Escola

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Artigos Relacionados
Conheça o processo histórico que houve na educação de nosso país, que levaram a mudanças significativas na estrutura dos livros didáticos de química.
Confira uma sugestão de aula sobre os diferentes tipos de iluminismo a partir da obra da historiadora Gertrude Himmelfarb.
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola