Topo
pesquisar

Canção de protesto no Brasil

Estratégias de ensino-aprendizagem

PUBLICIDADE


A repressão do regime militar interferiu no processo criativo de certos compositores brasileiros.

Durante a década de 1960, a discussão sobre as relações entre o Brasil e os Estados ocupou diversos espaços de debate. Neste contexto cultural, alguns estudantes da União Nacional dos Estudantes decidiram estabelecer um projeto onde defenderiam a prática de gêneros musicais considerados populares para alertar a população contra as questões de natureza política. Para tanto, estabeleceram a criação dos Centros Populares de Cultura, também conhecidos como CPC’s.

Utilizando da música como instrumento de engajamento político, os artistas envolvidos com esse projeto tinham a preocupação de denunciar conceitos-problema como autenticidade e alienação cultural. Dessa forma, inseriam conteúdo político de suas canções com o objetivo de promover a comunhão de suas perspectivas políticas. Para tanto, promoviam a gravação de discos ou a organização de shows onde buscavam trazer suas canções ao público.

Para trazer essa questão em sala de aula, aproveitando o processo de instalação de ditadura militar no Brasil, o professor pode demonstrar as transformações dessa arte promovendo uma análise comparativa de canções compostas antes e durante a vigência do regime militar. Nesse sentido, os alunos podem compreender como a carga subjetiva das canções se fortaleceu a partir do momento que os órgãos de censura passaram a controlar as canções que poderiam ser gravadas pelos artistas.

Para demonstrar tal diferenciação, sugerimos ao professor o trabalho com duas canções específicas. A primeira seria "Canção do subdesenvolvido", gravada em 1961 e composta por Carlos Lyra e Chico de Assis, ambos ligados às atividades do CPC da UNE. Nessa canção, as críticas e referências à dependência econômica e cultural do Brasil com relação aos Estados Unidos ganham tons explícitos em vários trechos da canção.

Os autores dessa canção falavam sobre o problema da subserviência da nação em relação aos norte-americanos. Além disso, ampliavam a questão da dominação econômica para o campo cultural ao dizer que assim como eles, os brasileiros consumiam “Rock balada” e “filme de mocinho”. Contudo, criticavam esse sentimento de igualdade ao dizerem que apesar dos brasileiros “dançarem”, “cantarem” como americanos, os brasileiros não comiam como os americanos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A pretensão de se misturar críticas com denúncias nesse tipo de manifestação artística acabou perdendo força com o fim das liberdades democráticas. A partir de 1964, os militares chegaram ao poder buscando abafar todo tipo de manifestação que pudesse ir contra os seus interesses. Dessa maneira, resolveram instalar órgãos de controle que tinham o poder de vetar as notícias em certo veículo de comunicação ou impedir a gravação de uma determinada música em um disco.

No entanto, muitos artistas preocupados com os rumos tomados pela nação no campo político e social insistiriam em falar sobre as questões nacionais. Para tanto, utilizaram construções poéticas mais rebuscadas que pudesse, em certa medida, preservar o conteúdo político de suas canções e, ao mesmo tempo, passar despercebida pelo crivo dos censores. Para exemplificar essa nova característica, o professor pode trabalhar com a canção “Ponteio”, de Edu Lobo e Capinam.
Nessa segunda canção, explorando o contexto repressor do regime militar, o professor pode indicar como a narrativa dessa canção tem uma construção mais difícil de ser decodificada. A idéia dessa canção gira em torno da vontade de tocar violão em um tempo marcado por um “canto calado, sem ponteio”. Logo em seguida, o autor explicita o desejo de falar sobre determinados assuntos em um “tempo mudado”, em “um novo lugar”.

Em uma contraposição simples, o professor tem condições de demonstrar como a forma de se falar sobre questões políticas sofre mudanças marcantes. Enquanto a primeira critica diretamente o comportamento de nosso quadro político-cultural, a segunda denuncia pela vontade de se tocar um instrumento os limites impostos por aquele novo quadro político. Dessa forma, os alunos podem compreender o alcance das interferências culturais estabelecidas pelo regime militar.

Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola

História - Estratégias de Ensino - Educador - Brasil Escola

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola