Por Taís Bento e Roberta Bento
SOS Educação é a coluna do Educador feita por Roberta e Taís Bento que trará dicas para pais e educadores a fim de contribuir com a formação de crianças e adolescentes.

Se nossos filhos voltarem para a escola sendo exatamente os alunos que eram antes dessa parada inesperada, teremos falhado como responsáveis

SOS Educação

PUBLICIDADE

Na grande maioria das vezes, não é o conteúdo que gera o baixo envolvimento do seu filho com a aprendizagem. Muitas vezes, falta é paciência para estudar até que a matéria seja realmente dominada. Falta capacidade de concentração para prestar atenção na explicação, seja ela dada pelo professor, seja por outros meios, como vídeos, textos, simulações. Falta persistência para tentar, falhar, tentar novamente e não desistir até que a informação tenha se transformado em conhecimento.

Leia também: Como equilibrar o tempo que os filhos passam nas telinhas durante a quarentena?

Cada responsabilidade em seu devido lugar

Muitas vezes a dificuldade escolar está atrelada a habilidades, como paciência e persistência, que precisam ser desenvolvidas em casa.
Muitas vezes a dificuldade escolar está atrelada a habilidades, como paciência e persistência, que precisam ser desenvolvidas em casa.

Essas habilidades, tão importantes para a vida, podem e devem ser praticadas na escola também, mas são aprendidas dentro de casa, na convivência com a família. Sim, a escola precisa repensar a dinâmica das aulas para que os alunos se interessem e consigam se envolver mais; no entanto, o desenvolvimento pleno do seu filho só vai acontecer se houver um movimento sincronizado entre família e escola.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Mais importante do que novos conteúdos, é conseguir ensinar seu filho a ser paciente para que ele mantenha a atenção por mais tempo em uma mesma atividade. Assim, é preciso oferecer oportunidades para que ele desenvolva a capacidade de persistir em um objetivo. Paciência, foco, persistência são habilidades que são aprendidas praticando. Lavar a louça, tirar a roupa do varal, guardar as próprias roupas e brinquedos, refeições sem tecnologia e jogos de tabuleiro são atividades que ajudam seu filho a desenvolver cada uma dessas habilidades.

Veja também: Qual legado da pandemia/quarentena os adultos responsáveis deixarão para as crianças?

Se crianças e adolescentes voltarem para a escola mais pacientes, persistentes e com maior capacidade de foco e concentração, o professor conseguirá dar conta de ensinar o novo conteúdo que pode ter se acumulado. É assim que unimos esforços entre família e escola pelo bem de nossos filhos: ajudando no desenvolvimento de habilidades para a vida!


Por Taís e Roberta Bento

SOBRE O AUTOR

Taís e Roberta Bento são fundadoras do SOS Educação (site de educação do portal Estadão), palestrantes e responsáveis pela coluna Escola da revista Pais&Filhos. Também são membros do Conselho Acadêmico de Educação da Universidade Simon Fraser (Canadá) e autoras do livro “Socorro, meu filho não estuda!”.

Roberta Bento

Graduada em Letras, Roberta possui especialização em formação de professores de Línguas (International House, na Inglaterra) e pós-graduação em Marketing e em Gestão de Pessoas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Também é especializada em Aprendizagem Baseada no Funcionamento do Cérebro, pela Universidade da Califórnia e Universidade Duke, e em Aprendizagem Cooperativa, pela Universidade de Minnesota e Universidade de San Diego.

Taís Bento

É graduada em Pedagogia pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduada em Marketing pela Fundação Armando Álvares Penteado (Faap). Também possui especialização em Aprendizagem Baseada no Funcionamento do Cérebro e Aprendizagem Cooperativa, pela Universidade de Minnesota e pela Universidade de San Diego.