Whatsapp

Crônica como proposta metodológica: discutindo sobre temas polêmicos

Estratégias de ensino-aprendizagem

O educador muitas vezes se vê discutindo sobre temas polêmicos, aspecto esse propiciado pela crônica – uma eficaz proposta metodológica.
O discurso dos adolescentes: discutindo sobre temas polêmicos por meio da crônica
O discurso dos adolescentes: discutindo sobre temas polêmicos por meio da crônica
PUBLICIDADE

Adolescentes... eis uma fase de descobertas, de questionamentos, de oscilações temperamentais, de escolhas, acima de tudo, enfim, todas essas passagens acabam refletindo, também, na convivência dentro do ambiente escolar. Com isso, o educador, além de desenvolver suas reais funções, necessita estar apto a entender, muitas vezes resolver (ainda que não raro) distintas situações conflituosas, oriundas, obviamente, dessa fase cotidiana. Limites? Mesmo que para alguns, tal aspecto não tenha assim tanta representatividade, faz-se necessário estabelecê-lo, sem dúvida. Contudo, a necessidade de se adequar à realidade a que pertence esse público representa fator preponderante, buscando alternativas metodológicas que realmente despertem a atenção e o interesse pela busca do conhecimento.

Assim, dinamismo, inovação, motivação, representam ingredientes que com toda certeza representarão aquela pitada a mais que faltava frente à concretização dos reais objetivos a que cotidianamente se propõe o educador. Nesse sentido, promover um espaço que conceda aos adolescentes a oportunidade de se manifestarem, de exporem suas opiniões acerca de assuntos pertinentes ao convívio deles representa, sem nenhuma dúvida, propostas didáticas cuja eficácia se torna indiscutível.

Debates, além de aprimorarem o repertório, propiciar maiores chances de os alunos se manifestarem, perderem o instinto inibido, que muitas vezes tolhe a capacidade argumentativa e os deixam presos ao próprio medo, à própria insegurança e à própria incapacidade de se mostrarem como alguém dotado de opiniões e pensamentos próprios.

Mas é preciso ser hábil na escolha dos assuntos a serem tratados mediante a realização do debate, uma vez que se trata de um público heterogêneo, no qual se fazem evidentes distintas marcas pessoais, entre elas a falta de conhecimento acerca deste ou daquele assunto.  Nesse sentido, torna-se importante e necessário o estímulo, de modo a incentivar os educandos a desenvolver a prática da leitura, a assiduidade no que se refere à importância de se manterem informados, enfim.

Seguindo essa linha de pensamento, o trabalho com a crônica, por ser um texto que conduz a uma reflexão, abre um leque de oportunidades para trabalhar valores humanos - sentimentos tão esquecidos no mundo conturbado em que vivemos. Como sugestão, apresentamos o texto de Moacyr Scliar, intitulado “Os Comícios dos adolescentes”, um texto bem atual à época em que vivemos. Ei-lo, portanto:

Os Comícios dos adolescentes

Moacyr Scliar

No Hyde Park, em Londres, existe um lugar chamado Speaker's Corner, onde, segundo a tradição, qualquer pessoa pode fazer discursos, criticando até a família real (o que atualmente não é muito difícil) desde que falando do alto de um estrado ou mesmo de um caixote; isto é, sem pisar solo inglês. Atualmente os oradores que lá vão são muito chatos, e frequentemente falam apenas para impressionar os turistas, mas há uma fase na vida em que o mundo como um todo é para nós um Speaker's Corner, e a nossa família é mais atacável que a família real inglesa; a adolescência é uma fase de comícios.

Adolescentes são oradores prodigiosos. Energia é o que não lhes falta; a imensa quantidade de alimentos que ingerem precisa ser queimada de alguma maneira, e esportes, games ou fantasias não são suficientes. Daí os discursos, que se sucedem num ritmo implacável: não há almoço nem jantar em que os pais não ouçam peças de inflamada oratória.

Os adolescentes, principalmente os de classe média, consideram-se oprimidos; não fazem parte de nenhuma Frente de Libertação, mesmo porque a vida de guerrilheiro não tem moleza, não dá para acordar ao meio-dia; mas desenvolvem uma invencível tática de guerrilha verbal, baseada em acusações clássicas: os pais são quadrados, os pais não compreendem as necessidades dos filhos, os pais são insensíveis, os pais não compram isto, os pais não compram aquilo (“me compra” é a reivindicação mais ouvida). É um estado de comício permanente, como parlamento algum jamais viu. Aliás, diferente dos nossos deputados, os adolescentes jamais se ausentam do plenário; mas, como os deputados, sempre acham que estão ganhando pouco.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

De uma coisa, porém, podemos estar certos: não existirá um Partido dos Adolescentes enquanto não se formar um Partido dos Pais. E Partido dos Pais jamais se formará. Como a Tereza Batista, de Jorge Amado, que estava cansada de guerra, pais -por definição -são pessoas cansadas de comícios.

“Um país chamado infância”. Para gostar de ler, crônicas. 3. ed. São Paulo: Ática, 1997 p. 51-52. V. 18.

Após uma leitura atenciosa, coletiva, por que não? A sala poderá ser dividida em dois grupos e o debate poderá ter início. Assim, com as intervenções do educador, quando necessárias, distintos aspectos poderão ser abordados. Provavelmente, muitos se farão conhecidos, e é justamente aproveitando essa “deixa” que o educador obterá fontes, pistas preciosíssimas para nortear o trabalho dentro de sala de aula, uma vez que as individualidades se farão vistas e conhecidas – algo que muitas vezes se torna imperceptível no convívio de uma forma geral. Elencados todos os posicionamentos, eis que urge o momento propício para explanação do educador acerca do assunto retratado no gênero em questão.

Concluído o debate, mais uma proposta metodológica aparece para somar aos objetivos prestados mediante o trabalho com o gênero em questão, desta vez retratada por alguns questionamentos que, além de aludirem ao texto, ainda exploram aquele outro lado anteriormente mencionado: o trabalho com valores humanos, valores esses esquecidos e que, urgentemente, precisam ser resgatados. Seguem, pois, alguns questionamentos:

a – Ao estilo bem moderno de se fazer uma crônica, o autor expõe o próprio ponto de vista sobre um determinado assunto, quase sempre polêmico, ou seja, relacionado a uma temática política, social ou cultural. Com base nisso, qual o assunto tratado na crônica? Você o considera como atual? Por quê?                          

b – Em uma das passagens, o autor, ironicamente, afirma que adolescentes são oradores prodigiosos, ou seja, dotados de uma excepcional inteligência para a idade em que se encontram. Dessa forma, por que você acha que isso ocorre?  

c – Você, enquanto adolescente e enquanto filho (a), como analisa essa situação a que o autor se refere em relação ao discurso dessa turma (de adolescentes): os pais são quadrados, os pais não compreendem as necessidades dos filhos, os pais são insensíveis, os pais não compram isto, os pais não compram aquilo? Considera essa atitude correta? 

d – Você concorda com a opinião de Moacyr Scliar quando ele fala que, diferentemente dos deputados, os adolescentes jamais se ausentam do plenário, mas que se assemelham a eles quanto ao modo de achar que sempre estão ganhando pouco? Se sim ou se não, justifique sua resposta.


Por Vânia Duarte
Graduada em Letras

Artigos Relacionados
O trabalho com a crônica a serviço da reflexão crítica pode resultar numa proposta altamente rentável, por isso constate algumas sugestões metodológicas!
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola