Topo
pesquisar

Contextualização no ensino de Química

Orientações

Utilizar métodos inovadores que favoreçam o aprendizado do aluno é uma forma de promover a contextualização no ensino de Química.
PUBLICIDADE

Contextualização no ensino de Química significa fornecer ao aluno uma abordagem dos conteúdos que utilize fatos do cotidiano, por exemplo. Muitos autores defendem que utilizar a contextualização é fazer com que a Química torne-se uma ciência mais próxima do aluno, diminuindo, assim, o grande mito de que se trata de uma ciência muito complexa.

Uma das ideias mais interessantes sobre a contextualização no ensino de Química é a de que o aumento do número de exemplos do cotidiano do aluno durante as aulas pode muito bem ser um fator motivacional, ampliando, assim, o aprendizado.

É importante ressaltar que o ideal do uso da contextualização não é algo novo. Em 1988, a CENP (Coordenadoria Estadual de Normas Pedagógicas do estado de São Paulo) apresentou uma proposta curricular na qual apontava que a contextualização utilizando fatos do cotidiano é um importante ponto de partida para o ensino de conceitos. Após essa data, surgiu uma lei, a LDBEN (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), proposta pelo MEC, em 1996, que, em seu artigo número 36, diz:

O aluno deve receber uma “educação tecnológica básica com a compreensão do significado da ciência, das letras e das artes, além do processo histórico de transformação da sociedade e da cultura.”

Resumindo, o artigo 36 da LDBEN indica que o aluno deve receber um ensino contextualizado.

Além disso, o DCNEM (Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Médio), de 1998, e o PCNEM (Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio), de 1999, chamam bastante a atenção para o uso da contextualização, relacionando sujeito e objeto como fator fundamental na apresentação e compreensão dos conhecimentos escolares.

Em 2002, os PCN+ (desdobramentos dos PCNEM) indicaram em seus artigos que o ensino de Química deve enfatizar situações problemáticas reais, de forma crítica, para que o aluno desenvolva competências e habilidades específicas que favoreçam a compreensão do mundo como um todo.

Além desses, outros documentos seguem esse mesmo princípio. Todavia, infelizmente, a Ciência Química ainda é proposta em sala de aula de forma mecanicista, envolvendo muitas vezes o decorar de fórmulas e leis.

Nós, educadores químicos, devemos utilizar os documentos que enfatizam a contextualização como ponto de partida para nosso trabalho docente, além de buscar uma formação continuada. A busca por formas mais simples, lúdicas e interessantes de ensinar o conteúdo não é fácil, mas o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) cobra cada vez mais que nossos alunos tenham habilidades e competências para resolver problemas e situações relacionadas com o cotidiano.

Assim, é dever nosso tornar a Química mais interessante aos nossos alunos, pois, afinal, nós sabemos o quanto ela é interessante, tanto que amamos essa ciência a ponto de ensiná-la.

Abaixo segue uma sugestão de proposta contextualizada para o ensino que se baseia na simples preparação de uma mousse:

  • Proposta contextualizada: Preparação de mousse

Contextualização de Química por meio da produção de uma mousse
Contextualização de Química por meio da produção de uma mousse

a) Materiais necessários

  • Liquidificador

  • 2 latas de creme de leite

  • 2 latas de leite condensado

  • Limões suficientes para fazer uma quantidade de suco que encha uma das latas

  • Refratário ou bacia para colocar a mousse

  • Geladeira

b) Assuntos que devem ser abordados

  • Proteínas

  • Produção do leite condensado

  • Desnaturação de proteínas

  • Vaporização

  • Solidificação

  • Carboidratos

c) Execução

1º) Adicione o leite condensado e o creme de leite no liquidificador;

2º) Bata a mistura em velocidade moderada;

3º) depois que a mistura leite condensado e creme de leite estiver bem homogênea; adicione todo o suco de limão e continue batendo moderadamente;

4º) Bater até que a mistura torne-se bem homogênea.

5º) Adicionar a mistura no refratário e levar à geladeira por pelo menos 4 horas.

OBS.: Você e os alunos vão provar da mousse na aula seguinte.


Por Me. Diogo Lopes Dias

É importante que o professor desperte a curiosidade dos alunos
Orientações Ensino de Ciências
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola