Topo
pesquisar

Sugestões para aulas de Filosofia: espaços para a construção do conhecimento

Estratégias de ensino-aprendizagem

As sugestões para aulas de Filosofia que serão propostas neste texto devem ser realizadas em um espaço da cidade propício à reflexão sobre determinado tema.
PUBLICIDADE

Ao ministrar alguns conteúdos de Filosofia, precisamos recorrer ao método expositivo, ao menos para levar os estudantes a uma primeira aproximação com o tema. No entanto, nós também podemos enriquecer nossas aulas expositivas com os espaços das cidades onde moramos.

A Filosofia, como nós sabemos, teve em sua origem uma relação íntima com a cidade (pólis). Nós perdemos o contato com o outro e com os espaços quando restringimos nossas aulas às salas e escolas. Por essa razão, muitos de nossos estudantes não entendem o quanto as questões filosóficas podem partir da realidade concreta e estar vinculadas aos problemas do cotidiano.

Veja a seguir algumas sugestões de temas e os espaços que podem ser utilizados:

A Filosofia, na Grécia, era uma atividade realizada ao ar livre
A Filosofia, na Grécia, era uma atividade realizada ao ar livre

1) Origens da Filosofia/ Sócrates/ Sofistas/ Retórica

Lugares sugeridos: praças, parques e centro da cidade.

Bibliografia sugerida: Qualquer diálogo de Platão focado na figura de Sócrates ou o diálogo “O Sofista”, no qual apresenta sua crítica aos sofistas.

Atividade sugerida: De fácil implementação, com essa atividade espera-se apenas que os/as estudantes tenham em pensamento que a filosofia era feita ao ar livre e em espaços da cidade, não em lugares fechados, sentados em fila, com um conteúdo específico a ser estudado e com os estudos guiados por uma avaliação. O professor/A professora pode preparar com os estudantes antes, em sala, alguns desses temas e, no momento ao ar livre, pedir para que alguns alunos conduzam a discussão – tentando reproduzir o método de sócrates.

Visitar templos religiosos pode ser uma boa forma de trabalhar o conteúdo “Fé e Razão”
Visitar templos religiosos pode ser uma boa forma de trabalhar o conteúdo “Fé e Razão” 

2) Fé e razão

Um tema que costuma despertar interesse e causar polêmica, o conflito entre “fé e razão” pode ganhar um sentido mais vivo quando levamos os estudantes a espaços religiosos onde poderão entrar em contato com pessoas durante suas práticas religiosas.

Lugares sugeridos: Santuários católicos (como os santuários de Trindade-GO e Aparecida do Norte-SP), mosteiros/seminários/conventos, mesquitas, templos budistas e centros espíritas (kardecistas ou umbandistas).

Bibliografia sugerida: A filosofia medieval é muito rica a respeito do conflito e conciliação entre fé e razão. Tomás de Aquino e Agostinho de Hipona podem ser os autores usados como referência. Além deles, Boécio, Nicolau de Cusa e Kierkegaard. Jean-Paul Sartre e Friedrich Nietzsche podem ser boas referências para problematizar a fé de uma perspectiva ateísta.

Atividade sugerida: Depois de expor o conteúdo, o professor/a professora pode dividir os estudantes em grupos e pedir para que eles entrevistem as pessoas que estiverem presentes sobre a importância da religião para suas vidas, sobre o significado de fé e sobre a noção que fazem do sagrado, por exemplo.

É importante diversificar os lugares religiosos e não buscar apenas templos cristãos para que os estudantes percebam as diferenças entre as religiões, desconstruam preconceitos (principalmente a respeito de religiões de matriz africana) e percebam a diversidade do discursos religioso. É importante também conversar com uma pessoa que se identifique como agnóstica ou ateia para que os estudantes percebam que a fé não é uma condição indispensável para a ética e que, da mesma forma que são muitas as vias pelas quais as pessoas aproximam-se da religião, muitas também são as vias pelas quais as pessoas identificam-se como ateias.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

3) Capitalismo/Marxismo, alienação do trabalho

Lugares sugeridos: fábricas, metalúrgicas, supermercados, shoppings, comunidades alternativas (ecovilas), aterro sanitário, assentamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra.

Bibliografia sugerida: Karl Marx, Friedrich Engels, Max Weber e Adam Smith são alguns dos principais nomes que tratam do capitalismo.

Atividade sugerida: Seria interessante se o professor/a professora pudesse levar os estudantes a lugares “opostos” para que eles pudessem perceber as consequências do capitalismo, inclusive ambientais e humanas. Em uma fábrica, poderiam conversar tanto com os operários tanto com os diretores a respeito de salário, benefícios, horas de trabalho, qualificação necessária para exercer tal cargo e o conhecimento que eles possuem das atividades desempenhadas pelos colegas.

As chamadas “ecovilas”, comunidades agrícolas autossustentáveis, como o Centro de Permacultura Asa Branca, a 23 km de Brasília, podem ser uma alternativa para que os estudantes percebam que há alternativas para que o ser humano consuma sem causar danos muito graves ao ambiente e que há modos de vida possíveis fora da lógica capitalista. Os próprios centros/comunidades que são abertos ao ecoturismo oferecem atividades e oficinas, como oficina de fabricação de papel reciclado.

No outro extremo, temos as pessoas que vivem em aterros sanitários, assentamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra e pessoas em situação de rua. O contato com essas pessoas pode alertar os estudantes para vivências que desconhecem, os motivos que levaram as pessoas a determinada situação e, com isso, desfazer preconceitos e estabelecer relações com o capitalismo. A depender do nível econômico dos estudantes, é possível realizar com eles alguma atividade em prol da população visitada, como arrecadação de brinquedos, roupas e agasalhos e, até mesmo, doação de comida.

A noção de justiça pode ser estudada a partir de uma visita a um tribunal
A noção de justiça pode ser estudada a partir de uma visita a um tribunal

4) Justiça/ Relação entre Ética e Justiça

Lugares sugeridos: Tribunal Regional Federal, Tribunal de Contas do Estado.

Bibliografia sugerida: O professor/ A professora pode tratar de um filósofo específico ou tentar fazer um mosaico entre diversas abordagens a fim de mostrar as variadas concepções de justiça ou até mesmo a construção do termo como conhecemos hoje. Platão, Aristóteles, Cícero, Tomás de Aquino, Maquiavel, Thomas Hobbes, Rousseau, Locke, Kant, Norberto Bobbio, Michel Foucault e Hannah Arendt podem oferecer boas contribuições conceituais para as aulas. Para tratar da relação entre Ética e Justiça, temos em Adela Cortina um ótimo referencial teórico e de fácil leitura.

Atividades sugeridas: O professor/ A professora pode pedir para que alguma pessoa que trabalhe diretamente com a justiça – advogados, promotores, juízes – faça uma breve exposição sobre as atividades que desempenha e seu pensamento sobre a importância da justiça, além de particularidades jurídicas do Brasil. Os alunos podem participar de alguma sessão ou audiência para saberem como são realizados os julgamentos. Além disso, o professor/a professora pode, de volta à escola, pedir que os/as estudantes realizem um “júri simulado” a respeito de algum problema teórico ou sobre algum tema atual.


Por Wigvan Pereira
Graduado em Filosofia

Podemos ministrar aulas expositivas em diversos lugares da cidade
Podemos ministrar aulas expositivas em diversos lugares da cidade
Os estudantes envolvem-se criativamente com o conteúdo na atividade que chamamos de Interclasse Filosófico
Estratégias de ensino-aprendizagem Interclasse Filosófico
A atividade “Imagem e Ação” pode facilitar a aprendizagem dos conceitos filosóficos vistos em sala
Estratégias de ensino-aprendizagem Imagem e Ação na aula de Filosofia
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola