Whatsapp

Dicas para o uso do livro didático de Geografia

Estratégias de ensino-aprendizagem

O uso do livro didático de Geografia pode ser facilitado desde que feito de forma crítica, moderada e criteriosa.
O bom uso do livro didático pode melhorar as aulas de Geografia
O bom uso do livro didático pode melhorar as aulas de Geografia
PUBLICIDADE

O livro didático é um assunto que rende amplos debates em todas as áreas do conhecimento, havendo diferentes problemas que variam com as questões concernentes a cada ciência. No meio geográfico, também existem debates sobre como escolher e, principalmente, utilizar o livro didático de Geografia em sala de aula.

O objetivo deste texto é, portanto, propor algumas dicas para os educadores dessa área do saber, com informações e detalhes que, ao final, podem ser importantes para melhorar e maximizar o desempenho de docentes e discentes quanto ao uso dos livros e dos demais complementos no processo de ensino-aprendizagem. A seguir, algumas sugestões:

a) Escolher corretamente o livro que será utilizado

Escolher o livro didático de geografia é um desafio para a maioria dos professores. Porém, esse é um procedimento importante, pois o bom aproveitamento ou não do material dependerá, de certa forma, da qualidade por ele oferecida. Dentre os problemas nesse percurso, destacam-se o período curto disponível para a escolha e a falta de tempo dos professores, além do grande número de obras disponíveis.

Um dos passos mais importantes nesse processo é a consulta do Guia do Plano Nacional do Livro Didático, que está disponível em todas as matérias, incluindo a Geografia. Assim, o professor poderá ter um panorama geral das obras, como os tópicos principais, a abordagem empregada, as referências utilizadas, entre outros importantes elementos.

Na hora de escolher o livro de Geografia, o professor precisa, basicamente, levar em conta: a clareza da linguagem, a presença de imagens e exemplos, o uso correto dos mapas e cartas, a abordagem empregada, a coerência do livro com o Projeto Político Pedagógico (PPP) da escola e a proximidade da obra com o estilo de trabalho do professor.

b) Conhecer bem o livro didático de Geografia

Depois de escolhido, o professor precisa conhecer bem a obra que utilizará. Sabemos que ser professor, no Brasil, é um trabalho bastante problemático, pois a sobrecarga de aulas e turmas nem sempre permite essa possibilidade. Mas é sempre bom o professor destinar um tempo para esmiuçar bem as características do livro, como a profundidade, os tópicos que aparecem em cada capítulo, o estilo das atividades, entre outras.

O ideal é que temas e métodos não surjam como “surpresas” no livro para o professor ao longo do ano. Isso facilita o planejamento, além de evitar erros ou repetições de explicações ao longo do período letivo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

c) Lembre-se: o livro é um suporte, não uma camisa de força!

Muitos professores acabam transformando o livro em um guia imutável, seguindo à risca todos os modelos e procedimentos. Outros ignoram quase que totalmente a obra, que serve, nesses casos, somente como um “peso” para a mochila dos estudantes. A ideia é encontrar um meio-termo.

O professor de Geografia precisa ter em mente que o livro é apenas um suporte, um entre os vários existentes. Sempre que necessário, ele pode e deve utilizar fontes complementares, como recursos eletrônicos, páginas de internet, filmes, trabalhos de campo, entre outros. O emprego de mapas, no caso da Geografia, é sempre importante para situar o aluno na dimensão espacial dos assuntos abordados.

Não se esqueça: a Geografia é a ciência que estuda o espaço geográfico, nas relações entre natureza e sociedade, de forma que essa complexidade não cabe totalmente em algumas páginas!

d) Avaliar o livro didático com os alunos

Um exercício que pode render resultados é, durante as aulas e o uso do livro nelas, a avaliação do livro com os alunos. Fazer com que eles percebam eventuais méritos ou imperfeições das obras utilizadas pode auxiliá-los a entender que, às vezes, fugir delas pode ser sim bastante proveitosos. É comum estudantes se queixarem quando o professor não segue à risca o cronograma ou as proposições do livro, de forma que esse exercício pode ajudá-los a entender que ele é importante, mas não é tudo. Além disso, essa é uma oportunidade para que eles conheçam melhor o material que possuem em mão.

e) Explorar alternativas

Como já dissemos, o livro didático não é camisa de força. Por isso, às vezes, é bom utilizar outras alternativas. Um delas é o uso de outros livros ou apostilas, outra é a pesquisa em sites de internet (você já conhece a página de Geografia no site do Brasil Escola? Clique aqui!). Buscar mapas animados através de projeções nas salas ou em jogos de computador também é uma alternativa. Outro ponto é a exploração de matérias jornalísticas em revistas e jornais, buscando correlacionar os temas geográficos com os fatos cotidianos do mundo.

E você, possui alguma experiência ou dica que gostaria de compartilhar? Deixe sua opinião nos comentários!


Por Rodolfo Alves Pena
Graduado em Geografia

Artigos Relacionados
As aulas expositivas ainda servem para os temas da Geografia? Confira algumas dicas para melhorar as suas exposições sobre os temas dessa disciplina.
Conheça alguns mitos no ensino de Geografia e aprimore a qualidade de suas aulas!
Como se estrutura o currículo de Geografia? Quais são os temas e objetivos dessa disciplina? Clique e confira uma análise dessas e outras questões!
Algumas dicas e sugestões para a elaboração de provas de Geografia.
Ilhas das Flores, O Pianista, A Vida é Bela, Tempos Modernos e Uma Verdade Inconveniente são filmes que podem ser utilizados nas aulas de Geografia.
A música é importante recurso didático no processo de aprendizagem. Entre as músicas para aulas de Geografia estão canções de Chico Buarque, Belchior, Os Paralamas do Sucesso, entre outros.
Clique e confira uma sugestão de sequência didática para abordar a questão Israel x Palestina.
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola